We are proud to release in this market the first lines of fragrances Buibere for Her and Maubere for Him. Together with glass handcrafted gifts perfect for Christmas.
BEM VINDO E OBRIGADO PELA VISITA!

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Mau Bere, Meu Irmão, LEVANTA-TE!

Mau Bere, meu irmão

Hoje, neste dia, decidi escrever para ti.

Hoje é domingo. Todas as pessoas estão em casa ou na igreja, a fazer o sinal da cruz enquanto confessam os seus pecados, pecado, profusamente. Todos estão no campo ou a beira mar. Eu estou aqui. E estou a pensar em ti, Mau Bere, meu irmão.

Na hora do jantar, senti fome. Mas não saí para comer. Fiquei aqui a pensar em ti. Imaginando pelo que passas a cada dia, cada hora e cada minuto. FOME. Tenho sorte, porque consegui aldrabar o meu estomago com mandioca e milho. Não arroz, porque não há nenhum arroz. E tu que nunca comeste mesmo arroz. O arroz que fizeste com o teu proprio suor é para os outros. Tu vendes aos chineses que te enganam com as balancas, que te enganam com o tabaco, vinho e outros pequenos itens.

Mau Bere, meu irmão, eu tenho pena de ti. Porque foste enganado e ninguém te defendeu.

Mau Bere, Tu que mastigas  folhas de bétel, que vestes trapos, trapos herdados pelos teus pais que ja morreram, que fumavam folhas de milho sorridentes com um sorriso vermelho, por causa do betel, sangue e rebelião.

Mau Bere, levanta-te, caminha comigo.

Vem, Mau Bere.

Não durmas mais. Agora é a hora de acordares. O sol ja nasceu. A luz do sol também brilha para ti. Mas nada mudou. Hoje, assim como ontem. Amanhã será o mesmo. Os teus trapos. Os teus Betéls. O teu sorriso vermelho.

Maubere, meu irmão, o que posso fazer por ti? Eu estou contigo. Na luta para manter vivo eu estarei ao teu lado. Estou enjoado. Enjoado de tudo e de todos. Vou beber. Para aliviar a minha repugnância.

Mau Bere, meu irmão, LEVANTA-TE!

O Teu Irmão.


observacao: "Na minha perspectiva, um poema bastante profundo escrito por um Homem que sente na pele a realidade de ser Timorense  numa epoca dificil , talvez mais rotineira do que incomun... A esperanca, a luta jamais se desmoronou embora fosse enfraquecida". DKiakilir.

Poema da autoria de Dr. Jose Ramos Horta, com traducao livre na lingua Portuguesa por Dalia Kiakilir Agostinho. Poema original publicado no jornal "A Voz de Timor"  (entre 1972 e 1976) com traducao em Bahasa Indonesia por Eliza Meskers Tomodok no livro "Hari-hari Akhir Timor Portugis".  >>  Ver versao em Bahasa Indonesia aqui...  <<

Sem comentários:

Enviar um comentário